Teoria da Anomia de Merton

Merton, analista do desvio e do controlo social, adoptou o conceito de anomia de Durkheim, mas reestruturou-o. Durkheim afirma que o Homem nasce anti-social com instintos violentos que vão desaparecendo com o processo de socialização. Merton declara que toda a Humanidade partilha a estrutura cultural (objectivos dos indivíduos) – promete-se a todos a ascensão na sociedade (American Dream). Contudo, a estrutura social vai distribuir, diferenciadamente, os recursos para atingir esses objectivos (da estrutura cultural).

Merton diz que é mais provável que ocorra o desvio quando há objectivos mas não os meios para os atingir, por isso, quando a maioria da população partilha os mesmos objectivos mas os meios estão desproporcionalmente distribuídos, há mais viabilidade de ocorrer o crime – as aspirações infinitas antecedem a desregulação social (Ferreira, 1995). Com base nesta ideia, é fácil perceber que há maior pretensão para o crime da parte de quem detém recursos escassos e/ou limitados.

4 comentários:

llesan disse...

A mesmo que pensar essa questão, entretanto, a teoria em questão não me convence em um ponto, uma vez que há várias pessoas que possuem objetivos, não alcançam, e mesmo assim, não cometem crime.

Abraços

Marius disse...

Merton fala de probabilidades, é uma hipótese teórica... Não podemos olhar para as propostas teóricas aplicando-as em casos particlures.

Italo Dalmy disse...

Como meu amigo Marius disso... ele fala de probabilidades, e se formos analisar bem a probabilidade das pessoas que não alcançam seus objetivos vivendo ali em uma escassez seja ela alimenticia ou material a probabilidade delas praticarem um delito é maior sem dúvidas.

Alexandre Aparecido Santos disse...

onde podemos encontrar o material de Merton? Minha monografia é sobre esse assunto

Enviar um comentário

 
subir